Ações da Ambev sofrem queda logo após resultado trimestral

No total, a queda chega a 21,7 bilhões de reais e ocorreu de forma repentina, após a divulgação do baixo lucro da empresa no período.

ANÚNCIO

As ações da Ambev tiveram uma grande queda após levantamento do resultado do último trimestre da empresa. O baixo lucro da empresa, em vista do mesmo período do ano anterior, foi o principal na desvalorização das ações.

No total, a queda chega a 21,7 bilhões de reais. A queda ocorreu de forma repentina, após ser divulgado o resultado trimestral da empresa. Em um dia, as suas ações estavam avaliadas em mais de 300 bilhões de reais. No outro, caiu para quase 280 bilhões de reais.

ambev
Foto: (reprodução/internet)

O que motivou a queda das ações da Ambev?

O resultado fraco do trimestre foi em decorrência do aumento dos custos da empresa em relação ao seu ganho. A Ambev entrou no último trimestre com a linha de cervejas Premium e, também, de cervejas especiais.

Isso fez ela sair da sua “zona de conforto”, o que garantiu custos maiores de operações e um lucro que não condizia com o seu investimento. Alguns acionistas chegaram a considerar a queda como prova da má administração da empresa, devido ao custo alto das operações e o resultado ruim que elas apresentaram.

Mesmo assim, a empresa registrou lucro de quase 2,5 bilhões de reais no fechamento do trimestre. Isso representa uma queda de 12% no lucro em relação ao terceiro semestre de 2018.

Outro ponto importante para essa queda foi o anúncio da Ambev de que o desafio do semestre anterior se manterá nesse semestre de fim de ano, o que prejudica o crescimento da Ebitda.

O que é Ebitda?

Ebitda é uma sigla em inglês que traduzida significa lucros antes de juros, impostos, depreciação e amortização. Em português, ela também é conhecida como Lajida.

A Ebitda é um indicador que serve para medir as empresas de capital aberto, ou seja, as empresas que vendem suas ações, como é o caso da Ambev.

Em outras palavras o Ebitda serve para medir o quanto que uma empresa realmente tem chance de crescer e obter lucro, o que para o acionista é um dos pontos principais.

Como a sigla sugere, no cálculo do Ebitda, são retirados os juros, impostos, depreciação e amortização decorrentes de dívidas ou empréstimos, por exemplo.

Retirando todas essas variáveis do cálculo, é possível, então, ver o quanto que a empresa realmente cresceu ou tem potencial para crescer.

Com as dificuldades financeiras, o recuo do lucro e, também, a queda das ações da Ambev (além da previsão de que esses problemas continuarão pelo próximo trimestre), o Ebitda resultante da empresa não é positivo.

Esse não é o único indicador que precisa ser levado em consideração na hora de comprar ou vender uma ação, mas é um dos principais indicadores dessa “balança”. E isso foi sentido já no primeiro dia, após o levantamento do resultado do último trimestre da empresa.

Só em papéis da empresa no primeiro dia, foram vendidos mais de 660 milhões.
Um montante muito acentuado, se levado em consideração que, nesse dia, foram movimentados um total de quase 820 milhões em papéis de todas as empresas do pregão.

Ou seja, as ações da Ambev movimentaram mais de 80% das vendas de papéis de um único dia.