Libra do Facebook será controlada por mais de uma empresa

A Libra, criptomoeda do Facebook, já está gerando bastante polêmica que pode impedir ou dificultar a sua viabilização

ANÚNCIO

A Libra, que é a moeda digital criada pelo Facebook, vem sofrendo críticas das principais organizações dos países desenvolvidos caso seja controlada por só uma empresa. A medida, que foi discursada por David Marcus, tem a intenção de diminuir os questionamentos em relação à criptomoeda.

Libra
Foto: (reprodução/internet)

Saiba mais sobre a moeda do Facebook

David Marcus, o líder do projeto de criptomoedas do Facebook, informou em Washington nesta segunda-feira (20) que a Libra, moeda digital dessa rede social tão presente na atualidade, não será controlada por uma única empresa.

O executivo disse: “Para nós, está muito claro desde o início que um sistema de pagamentos como o da Libra não deve ser controlado por uma única empresa.” O discurso foi feito em uma conferência organizada pelo BID, que é o Banco Interamericano de Desenvolvimento.

Segundo Marcus, a empresa está aberta em tornar a Libra associada a moedas estáveis e físicas, para diminuir esse tipo de problemas que vêm sendo debatidos com frequência entre especialistas e conhecedores das moedas digitais que já existem.

O lançamento da Libra

A Libra Association foi criada para lançar a criptomoeda do Facebook e apresentada na segunda-feira da semana passada (14), na cidade de Genebra. O evento teve a presença de empresas como a Vodafone, Uber e Spotify, por exemplo, mas foi sentida a falta de, por exemplo, Visa, Mastercard e o Ebay.

Marcus falou: “Quero reiterar nosso firme compromisso de estar em conformidade com os requisitos do regulamento antes que o sistema descentralizado de blockchain (espécie de banco de dados descentralizado que usa criptografia para registrar as transações) Libra entre em vigor.”

Além disso, Marcus falou que a privacidade é essencial e que a plataforma do sistema é de código aberto e que os desenvolvedores não são dogmáticos. Nesta semana, em Washington, as criptomoedas foram um dos temas mais abordados na reunião anual do FMI e do Banco Mundial.

Pronunciamentos do G7 e do G20

Enquanto o ministro francês das Finanças, Bruno Le Maire, disse que a Libra não é bem-vinda no território europeu, o G7, composto pela Alemanha, Canadá, Estados Unidos, França, Reino Unido, Itália e Japão, falou que a condição básica para o lançamento da Libra é estabelecer uma estrutura legal estável.

Depois que o G7 falou sobre o que pensava da ideia da criptomoeda Libra, foi a vez do G20 fazer o seu pronunciamento. Na sexta-feira (18), o G20 falou que as criptomoedas estáveis (stablecoins) dão origem a uma série de riscos graves de políticas públicas e regulações.

FMI está averiguando o ambiente econômico

Essas informações foram comunicadas pelo grupo que reúne as maiores economias no mundo. Além disso, o G20 ainda pediu ao FMI para que ele investigue as implicações macroeconômicas que podem surgir a partir do lançamento da criptomoeda do Facebook, a Libra.

Resta aguardar mais informações e pronunciamentos dos grupos supracitados para saber se o lançamento da criptomoeda vai acontecer e em quais condições ele poderá ser feito de maneira viável.